Domingo dos Quadrinhos – Hellblazer

Hellblazer

 

Você deve ter assistido (ou pelo menos ouvido falar de) um filme chamado Constantine. Não? Pois então, além de perder minutos de um filme interessante, você também perdeu a chance de conhecer John Constantine, a estrela da série Hellblazer. O personagem visto nas telas do cinema, representado por Keanu Reeves, deixou de fora os traços marcantes do personagem dos quadrinhos, mas ainda assim foi bem representado: o Constantine original é inspirado no cantor Sting, e por isso tem os cabelos loiros. O cabelo e o seu sobretudo marrom são a marca registrada deste personagem memorável.

Um clássico da linha de quadrinhos adultos da DC Comics (a editora de Batman e Superman), Hellblazer é uma publicação que conta a história de John Constantine, um mago um tanto quanto diferente dos que conhecemos. As histórias se passam nos tempos atuais, na Londres de hoje e não na Idade Média ou em algum passado fantástico distante. Além disso, logo se percebem as principais características de John: o sarcasmo, a ironia, a atitude de quem simplesmente não está nem aí para o que está acontecendo, a postura de anti-herói constante. É, com certeza, uma das personalidades mais marcantes dos quadrinhos.

Com esta atitude, John Constantine vive às voltas com demônios, bruxas, monstros de toda espécie que procuram resolver antigas desavenças, pedir favores ou mesmo ameaçar e chantagear o bruxo. Algumas cenas apresentam um humor ácido (algo que o filme captou bem) que dá o toque final à série.

No Brasil, a editora Panini publica as histórias de John Constantine em uma revista chamada Vertigo, que traz também outras ótimas histórias. O arco que li este mês é o que vai do número 1 ao 6 da revista Vertigo brasileira, escrito por Mike Carey, e recomendadíssimo para quem gosta deste estilo.

John Constantine é para iniciados. Mas, para estes, é das melhores coisas que se pode encontrar. Boa leitura!

Resenha – História da Riqueza do Homem

História da Riqueza do Homem

 

Você sabe como o dinheiro se tornou uma parte tão importante do nosso modo de vida? Tem alguma ideia dos caminhos trilhados, das opções tentadas, dos conceitos que embasam o uso de moedas?

Nesta obra, Leo Huberman apresenta de uma forma simples a história da humanidade por um viés diferente: o do dinheiro. Partindo de um primeiro capítulo chamado “Sacerdotes, Guerreiros e Trabalhadores”, somos levados para um passeio pela organização social da Idade Média e das épocas que se seguiram a ela. Na edição que li, a 21a., o autor é vítima do período em que vivia, encerrando a obra em uma espécie de clamor esperançoso pelo Comunismo.

Descartando-se, portanto, os dois últimos capítulos desta edição antiga (ou adquirindo alguma das edições mais recentes), História da Riqueza do Homem é um relato perfeito dos modos de produção, organizações sociais e da evolução das diversas formas de riqueza através dos tempos.

Este livro é altamente recomendado para leigos que pretendem conhecer um pouco mais da história da Economia e sair da estaca zero quando o assunto é dinheiro. Dá perspectiva e base de conhecimento para discussões mais substanciais sobre onde está nosso Capitalismo de hoje e para onde podemos ir.

Domingo dos Quadrinhos – Maurício de Sousa por 50 Novos Artistas

Maurício de Sousa por 50 Novos ArtistasMaurício de Sousa é o quadrinista mais conhecido do Brasil e responsável por personagens reconhecidos em diversos lugares do mundo (em menor grau do que por aqui, obviamente). O alcance da sua obra é inquestionável e impressionante.

Em 2011, a Panini lançou o terceiro volume de uma série que buscou homenagear os 50 anos de carreira de Maurício, com artistas recriando os personagens clássicos da Turma da Mônica. Foram convidados 50 artistas, desde totais desconhecidos em início de carreira a nomes já um tanto conhecidos entre entusiastas dos quadrinhos, como Mike Deodato Jr., Adão Iturrusgarai, Daniel HDR, Luke Ross, entre outros.

Algumas histórias agradam pela bela arte, outras divertem pela perspectiva alternativa sobre os personagens, outras ainda dão uma certa saudade do traço original, como seria de se esperar em uma coletânea deste tamanho. Mas, de modo geral, os artistas foram muito bem escolhidos e o nível se mantém entre as histórias.

Pessoalmente, algumas histórias me agradaram muito mais do que outras. Mas prefiro que interessados formem sua própria opinião sobre isso. Para quem gosta da Turma da Mônica ou de quadrinhos em geral, esta é uma HQ para ter, ler com atenção e de vez em quando dar mais uma olhadinha. Boa ideia e boa execução.

 

Semana de Cinema – Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros

Abraham Lincoln: Caçador de VampirosFui assistir a esta aparente pérola do cinema esta semana. E não é que fui surpreendido?

A proposta do filme é tão esdrúxula quanto curiosa: Abraham Lincoln, o presidente americano na época da Guerra Civil que colocou frente a frente as metades Sul e Norte dos Estados Unidos da América, teria combatido também uma invasão de vampiros. Exatamente.

O filme vale como um bom filme de ação, tendo utilizado muito bem as vantagens do 3D, com enquadramentos que aproveitam bem as características da nova tecnologia. Além disso, a presença de Tim Burton entre os produtores garante a atmosfera já conhecida dos fãs dos filmes por ele dirigidos.

Lincoln é apresentado em sua infância, conhecemos seus pais, o episódio que o levou a odiar os vampiros e o episódio em que conhece a guerra (entre humanos e vampiros) que acontece sem que ninguém saiba. A partir daí, uma série de batalhas com vampiros e o início de sua vida social e política são mostrados, culminando em uma aparente aposentadoria.

Daí pra frente é que o filme fica melhor ainda, com sequências envolvendo um personagem muito mais parecido fisicamente com o presidente americano e também muito mais maduro e sábio. As cenas com o estouro de cavalos e o trem são realmente bem feitas e envolventes.

Por incrível que pareça, desfaça-se dos seus preconceitos e vá ver esse filme. Vale a pena.

Domingo dos Quadrinhos – Star Wars (Série da Ediouro)

Star Wars 1Demorou mas saiu! Quase que o domingo acaba sem Domingo dos Quadrinhos, mas felizmente conseguimos providenciar a tempo!

Em 2005 a editora Ediouro inaugurou um braço de quadrinhos com a publicação de uma série mensal de quadrinhos de Star Wars, originalmente publicados pela Dark Horse Comics nos Estados Unidos. Apesar de interrompida em 2006, a revista chegou a trazer diversas histórias completas, que compensam de longe para o fã do universo criado por George Lucas.

Como exemplos da qualidade desta série, temos as duas primeiras histórias completas, que aparecem entre os números 1 e 4 da revista mensal: a primeira delas, Obsessão, se passa meses antes do episódio III (A Vingança dos Sith) e apresenta Obi-Wan Kenobi e Anakin Skywalker perseguindo uma inimiga chamada Ventress. Com traços muito bons (e agressivos), combinados a um roteiro que prima pelos detalhes e pela aderência ao mundo criado para a série de filmes, Obsessão é uma história que agrada a qualquer fã de Star Wars.

A segunda história completa publicada na revista, chamada Temporada de Caça, apresenta a origem do mercenário Jango Fett. Para quem se lembra, Jango foi o homem utilizado como base para criação dos clones, os Stormtroopers. A história também é muito bem desenhada e roteirizada, e vale inclusive para “não tão fãs”, porque funciona bem como uma história em quadrinhos isolada.

Esta série deve ser fácil de encontrar em sebos, e interessa demais a quem é apaixonado pelos filmes e quer saber mais sobre este universo. Recomendado.

 

Resenha – Outliers

OutliersO que faz um indivíduo destoar totalmente do restante da sociedade e se tornar alguém memorável? Seja um gênio dos computadores, um craque do futebol ou um empreendedor de estrondoso sucesso, quais são os fatores que estão por trás de uma história dessas?

Em Outliers, o pesquisador Malcolm Gladwell prova que as histórias que são contadas para o grande público nem sempre contêm todos os dados importantes. Não por qualquer necessidade de esconder os dados ou proteger alguém, mas porque somos todos condicionados a esperar que o mito do “self-made man” se confirme. Traduzindo: sempre que vemos alguma história de muito sucesso, queremos acreditar que aquela pessoa chegou ali apenas pelo próprio esforço, porque isto indicaria que também podemos chegar.

Gladwell ataca isto por todos os lados, provando que o sucesso espetacular é uma combinação entre estar preparado e ter as oportunidades certas nos momentos certos. Usando histórias de sucesso conhecidas, ele prova por exemplo que existe um “número mágico” de horas de treino que são requisito básico para que um indivíduo seja muito melhor que os demais em qualquer ramo do conhecimento ou atividade física.

Outliers é um livro de linguagem fácil, mas que traz muito conhecimento embutido. Gladwell refaz a noção que temos do sucesso, principalmente no Ocidente, provando inclusive que pessoas extremamente bem preparadas podem nunca alcançar os seus objetivos, por uma combinação de cultura, falta de oportunidades e outros fatores. Destaque especial aos capítulos que falam sobre a influência da cultura nativa das pessoas na forma como elas lidam com o poder e na “vocação” de algumas culturas, por uma série de fatores, para certas tarefas na sociedade.

Juntamente com Freakonomics e Previsivelmente Irracional, Outliers é biblioteca básica para quem se interessa por boas leituras de não ficção e estudos recentes sobre como a sociedade funciona.

 

Domingo dos Quadrinhos – Notas Sobre Gaza

Notas sobre GazaJoe Sacco é um jornalista nascido em Malta e radicado nos Estados Unidos. Sim, você ouviu direito. O autor de Notas Sobre Gaza é um jornalista.

Esta é uma obra totalmente diferente de tudo que você já viu. Trata-se de uma reportagem registrada utilizando o formato dos quadrinhos. Em um volume de mais ou menos 400 páginas (e que, confesso, ainda não terminei de ler), Sacco passa o clima da Faixa de Gaza, seus habitantes e o conflito entre Israel e Palestina.

Apesar do tema tenso, Notas Sobre Gaza não é uma obra difícil de ler ou pesada demais. O traço de Sacco é muito bonito e bem acabado, o conteúdo verídico confere um interesse maior para a leitura e o argumento bem elaborado te envolve com perfeição na história que está sendo contada.

Sacco escolhe como tema, justamente, o que chama de “notas de rodapé” da história do conflito, ou seja, pequenos incidentes que a princípio não parecem importantes mas podem ter gerado vinganças, represálias e respostas que escalaram ainda mais a guerra.

Notas Sobre Gaza é uma HQ genial, mas é também um registro histórico; portanto, vale a pena pelos dois aspectos. Se está procurando uma boa HQ realista, esta obra de Joe Sacco é altamente recomendada. Se está procurando mais informações sobre Israel e Palestina, trata-se também de um ótimo caminho.