Semana de Cinema – O Corvo

Edgar Allan Poe é um dos pais da ficção científica e do suspense literário. Escrevia histórias sobre assassinatos e poemas que muitos considerariam mais góticos do que românticos.

Apesar de não ser uma exímia conhecedora ou uma leitora assídua de Poe – só li alguns contos – o filme me pareceu muito interessante. Filmado em película, o preto fica mais preto e a sensação de gótico perdura garantindo que a cidade em si seja extra macabra e os assassinatos extra horríveis. Então, para mim, seria uma ótima tarde no cinema.

O filme começa do fim. E por fim eu quero dizer o último dia de vida de Poe. Apesar de não se proclamar uma biografia, O Corvo traz fatos reais da vida de Poe – a academia em que estudou e foi expulso, sua constante batalha com a falta de dinheiro e com a bebida e a morte de sua primeira esposa por tuberculose. Além disso, nos apresenta um autor que sofre de baixa auto-estima e que é totalmente ignorado por seus conterrâneos.

Seus últimos dias de vida foram estranhos e incoerentes. Poe foi encontrado em um parque em estado delirante. O filme tenta nos explicar o possível motivo para a morte do autor – que nunca foi solucionada. Dizem que foi a bebida, dizem que foi o desgoto de não ser reconhecido, dizem que foi tudo isso junto com a vida difícil que o autor teve. Ele morreu com 40 anos.

Aqui começa também a parte “fantasia” do filme.

Os cenários são bonitos e nos transportam para uma Baltimore de 1800 onde assassinatos terríveis começam a ocorrer. O inspetor rapidamente percebe que já viu aquelas cenas em algum lugar e logo associa os assassinatos aos escritos de Poe. A partir de então, o autor começa a trabalhar junto com a polícia seguindo a trilha que o assassino deixa ao raptar sua amada (e possível futura esposa) Emily – (não se sabe se ela existiu mesmo) – lançando um desafio a Poe e o chamando para brincar de “esconde-esconde”.

John Cusack é um ótimo ator mas às vezes deixa a peteca cair no filme. Não senti muita convicção em algumas cenas – principalmente no começo – mas ele parece que cresce durante o filme e, ao final, ele encontra Poe de uma forma menos megalomaníaca e mais sincera. O que também pode ser um reflexo da história em si, quando Poe começa desacreditado, e basicamente indigente, e vai se tornando um personagem mais importante e sóbrio ao longo do filme. Os demais autores são competentes e complementam bem seus personagens – tirando a mocinha que interpreta Emily (Alice Eve) que é bem fraquinha.

A história é envolvente e os assassinato são explícitos – como a escrita de Poe. As cenas de morte são bem pesadas e uma ou duas vezes chegam a parecer mais um filme de terror estilo “jogos mortais” do que um filme sobre um escritor de suspense…pessoas que não gostam de sangue podem sentir certo desconforto. Confesso que cobri os olhos em algumas dessas cenas.

O enredo do filme nos apresenta alguns dos maiores contos de Poe quando traz à vida os crimes que o autor imaginou. Assim, o filme é uma maneira de apresentar o autor a novos  leitores. A idéia do roteiro é original e coloca Poe como um personagem de um de seus próprios contos. Essa dinâmica transforma a história em algo que poderia ser apenas mais um filme de suspense em algo mais. Acredito que quem é fã de Poe vai gostar de ver seus contos representados da maneira que consta no filme.

Outra questão inteligente do filme é se utilizar de vários contas, criado um serial killer. Os contos de Poe não são tão longos que poderiam garantir um filme de 2 horas, cada. Então, juntar alguns no filme garante a sensação de suspense por mais tempo.

Ainda assim, eles falham onde Sherlock Holmes obteve sucesso. As tentativas de humor muitas vezes passam despercebidas pela platéia em meio a um diálogo rebuscado e cheio de palavras difíceis. Saí do cinema sentindo que faltou alguma coisa. Não nas atuações mas talvez na liberdade dos atores em cena. Todos pareciam travados em seus personagens e isso se traduz em cenas pouco orgânicas.

Com mais verba e melhores cenas de ação, o filme poderia ter se tornado um blockbuster…mas provavelmente será apenas um filme obscuro feito de fãs para fãs de Poe.

Anúncios